Novo design é assinado pela Agência Woau! Resenha - Veneno Filmes - X-men - Clube de compras Dallas Resenha - Feita de fumaça e osso
17

[RESENHA] O BICHO-DA-SEDA - ROBERT GALBRAITH


Título Original: The Silkworm
Série: Cormoran Strike
Autor: Roberth Galbraith
Ano: 2014
Gênero: Policial
Editora: Rocco
Número de páginas:  462
Nota pessoal:  4/5

“Ele não esquecera do que Leonora estaria passando enquanto ele era interrogado na Scotland Yard. Imaginava a mulher abrindo a porta a um policial – dois, talvez -, o primeiro tremor de alarme ao ver a farda; a martelada dada no coração pelo convite calmo, compreensivo e solidário para entrar em casa; o horror da declaração (mas eles não contariam, pelo menos a princípio, sobre as cordas roxas e grossas que amarravam seu marido ou sobre a caverna escura e vazia que um assassino criou em seu peito e na barriga; eles não diriam que o rosto foi queimado por ácido ou que alguém arrumou pratos á volta como se ele fosse um assado gigante... Strike lembrou-se da travessa de cordeiro que Lucy serviu 24 horas antes. Ele não era um homem melindroso, mas o malte suave pareceu se agarrar em sua garganta, e ele baixou o copo).”  Pág. 139

Quando virei à última página de O Chamado doCuco já estava ansioso por uma nova aventura do detetive Cormoran Strike e sua assistente Robin Ellacott. Desde então acompanhei avidamente todas as novidades acerca do segundo volume. Título, capa, sinopse, lançamento lá fora, fase de tradução e enfim a publicação por aqui. E claro, não perdi tempo. Comprei meu exemplar de O Bicho-da-Seda assim que o livro chegou às livrarias, comecei a ler no dia que o tive em mãos e hoje conto minhas impressões sobre o novo trabalho de Robert Galbraith.

No primeiro livro conhecemos Cormoran Strike, um homem imenso e de aparência desgrenhada. Sobrevivente de guerra, Strike carrega daquele tempo sequelas físicas e psicológicas. Agora, desligado do serviço militar, ele se vira como detetive particular, negócio que infelizmente não tem ido nada bem. Quando a agência de temporárias lhe manda Robin Ellacott para trabalhar como secretária, Strike não vê na moça nada senão mais um custo desnecessário. Mal sabe ele que ela será uma aliada de peso na solução do caso mais importante de sua carreira: o suposto assassinato da famosa modelo Lula Landry.

A resenha não contém spoilers do livro anterior. Leiam despreocupados!

Solucionar o caso Lula Landry rendeu a Strike certa notoriedade, algum dinheiro e um aumento significativo no número de clientes. A maioria destes homens e mulheres desconfiados da fidelidade de seus cônjuges. Mas quando Leonora Quine lhe procura e pede que ele encontre seu marido desaparecido, o detetive terá um mistério bem diferente nas mãos.

A princípio não era nada preocupante. Owen Quine era dado a sumiços sempre que queria chamar atenção para si. Depois de alguns dias ele sempre voltava, como se nada tivesse acontecido. Mas as coisas para Leonora estavam ficando difíceis; as despesas, a filha com necessidades especiais, e em meio a tudo isso, o marido já sumido há mais de dez dias.

Logo que começa a fuçar, Strike percebe que há muito mais envolvido nesse desaparecimento. Owen é escritor e o manuscrito de seu novo livro continha descrições venenosas que uma vez publicadas comprometeria muita gente importante no mercado editorial londrino. Não seria surpresa se algum desses figurões resolvesse silenciar o escritor para abafar futuros escândalos.

A verdade disso se torna clara quando o que era um desaparecimento por mero capricho evolui para um assassinato complexo, estranho, sádico e grotesco, de inspiração literária e execução impiedosa. Owen Quine é encontrado morto, o corpo em avançado estado de decomposição, amarrado e com algumas partes corroídas com ácido. O abdômen reduzido a uma gruta deserta. As entranhas desaparecidas. Tudo conforme descrito no desfecho de seu infame livro.

A brutalidade do assassinato choca a todos, mas as investigações da polícia parecem apontar numa única direção: Leonora Quine. Certo de que estão cometendo um equivoco, Strike resolve agir e conta com a ajuda de Robin para descobrir a verdade. Juntos eles se lançam nas ruelas de Londres e em almoços e jantares com figurões dos livros, no encalço de um assassino ardiloso e muito eficiente em ocultar seu próprio rastro.

“O assassino de Owen Quine era como aquele tubarão, pensou ele. Não havia predadores furiosos e indiscriminados entre os suspeitos do crime. Nenhum deles tinha histórico conhecido de violência. Não havia, como costuma acontecer quando surgem corpos, um rastro de delitos do passado levando á porta de um suspeito, nenhum passado manchado de sangue arrastando-se atrás de algum deles como um saco de carniça para cães famintos. O assassino era uma fera mais rara e mais estranha: daquela que esconde sua verdadeira natureza até ser suficientemente perturbada. Owen Quine, como Dave Polworth, provocara temerariamente um assassino à espera, desencadeando o horror sobre si mesmo.” Pág. 285

* * * 

O autor continua afiadíssimo. Em poucas páginas já estava envolvido na leitura, atento aos detalhes e ansioso pelo desenrolar da trama. Talvez seja por já conhecer o protagonista, mas achei início mais ágil que o do primeiro volume, embora o assassinato em si seja descoberto apenas lá pela página 130.

A técnica usada pelo autor para desenvolver a investigação é basicamente a mesma do primeiro livro. Strike sai em busca dos suspeitos e de escassas provas. Embora vez ou outra guarde uma dedução para si, o leitor tem a mesma base que ele para tirar suas conclusões. Acho isso genial. Tudo a princípio parece infundado, um beco sem saída. Mas aos pouco peça por peça vai encaixando.

Dessa vez o pano de fundo onde a trama se desenvolve é mercado editorial londrino. O autor usa de um humor bem negro para descrevê-lo, assim como para tratar das personalidades que o habita. Frases como: “os escritores são uma raça selvagem” ou ainda: “-Precisamos de leitores – resmungou Daniel Chard. – Mais leitores. Menos escritores.”, permeiam toda a narrativa. É um desfile sem fim de autores pomposos com ego inflado e editores carniceiros, sedentos pela próxima vítima.

O próprio Owen Quine é um sujeitinho desprezível. Do tipo que se julga o centro do universo. Um completo egoísta que ignora completamente a família e não tem amor ou respeito a nada. Quanto mais o conhecia, mais o desprezava. Bem feito ter morrido,hehehehe.

O Strike continua um figurão. Adoro a inteligência e a sagacidade do personagem. A primeira vista ele pode enganar a muitos com seu imenso tamanho e aparência desgrenhada, mas o cara tem bom coração. Tanto que se lança com todas as forças no caso para tentar provar a inocência de Leonora, mesmo sabendo que poderia nem ser pago por seus serviços. Mas minha queridinha dessa série mesmo é a Robin. Onde Strike se mostra rude, ela esbanja uma delicadeza segura. Enquanto ele intimida para conseguir informações, ela se mostra compreensiva e consegue arrancar o que deseja da testemunha com a mesma eficiência. O velho jogo do policial bom, policial mal. Eles se completam nesse trabalho. Fora que ela está encantada com esse mundo, disposta aprender tudo que puder para se tornar uma detetive tal como o patrão.

Sobre o caso em si, achei mais interessante e atrativo que o do primeiro livro. As personalidades do mercado editorial se mostraram tão interessantes quanto as do mundo das celebridades. Mas confesso que o desfecho ficou meio que previsível para mim. Uma das chaves para desvendar esse crime são as entranhas desaparecidas e eu logo saquei qual tinha sido o destino delas. A motivação se manteve oculta para mim, mas não o assassino. Isso, aliado a algumas pontinhas soltas me fez diminuir uma estrela na avaliação.

No mais, devorei esse livro. Como falei lá na introdução, estava ansioso por seu lançamento, então quando meu exemplar chegou não me contive e li em menos que uma mísera semana. Queria mais Strike, mais Robin e mais mistério, acabou muito rápido! O Robert dispensa indicações né? Leiam!

 Série Cormoran Strike:

Livro 01 - O Chamado do Cuco
Livro 02 - O Bicho-da-Seda

17 comentários:

  1. Ei, Jeferson, acredita que só fui ler O Chamado do Cuco há poucas semanas? O motivo explico na resenha, que, se der tudo certo, deve sair ainda essa semana. Mas já encomendei O Bicho da Seda e pretendo não demorar tanto pra ler. E se está tão bom quanto você disse, não vejo a hora de tê-lo em mãos. Ótima resenha.

    Abraço!
    http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei Gabis,

      Ah, e como acredito. Já perdi a conta de quantos livros bons deixei mofando na estante, pelos motivos mais diversos. O importante agora é que você leu e estou indo lá no seu blog correndo ver a resenha. Obrigado!

      Abraços!!!

      Excluir
  2. Oi Jeferson!
    Adorei a resenha! Tenho O Chamado do Cuco no Kobo, mas sempre me enrolo pra começar. E nem sei o motivo, pois suspenses policiais são alguns dos meus tipos favoritos de livro!
    Fiquei bem empolgada lendo suas impressões positivas sobre O Bicho-da-Seda (e curiosa pra entender o título do livro). Agora que estou de férias tentarei colocar esse objetivo de ler Robert Galbraith em dia!
    Beijos,

    Priscilla
    http://infinitasvidas.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Priih,

      Ah, você precisa ler essa série, é muito bem escrita e instigante. No caso de O Bicho-da-Seda, é uma referência ao livro que a vítima escreve, que tem o mesmo nome. Assim como O Chamado do Cuco, que é referência ao apelido da modelo e ao fato dela ter saltado da janela para a morte, como naqueles relógios antigos. Enfim, são livros muito bons.

      Abraços!!!

      Excluir
  3. Tia Jô a cada dia se supera!
    http://leituranomeumundo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Tomara que o livro seja mesmo tão bom quanto você faz parecer, mas vindo da J.K. Rowling deve ser mesmo muito bom

    ResponderExcluir
  5. Ansiosa para ler O chamado do Cuco e sua continuação!!

    ResponderExcluir
  6. Se já estava ansiosa para ler o primeiro livro, imagine o segundo? Confesso que nunca fui muito fã de histórias de terror, suspense e mistério, mas tô numa vibe em que ando vendo e lendo muitas coisas desse gênero, então, minha curiosidade sobre ambos os livros, se já estava alta, creio que aumentou ainda mais! Parabéns pela resenha.
    Beijos
    http://thais-monte.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Através de suas resenhas, O Bicho da Seda consegui chamar a minha atenção, ainda mais que O Chamado do Cuco. O que só faz com que aumente ainda mais a vontade de ler essa série.

    ResponderExcluir
  8. Preciso ler O Chamado do Cuco ainda, mas já tô na expectativa pra acompanhar esta série da JK!

    http://literow.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Caramba. Esse livro parece ser muito bom. Mas primeiro tenho que ler O Chamado do Cuco.

    ResponderExcluir
  10. Quero muito ler também! Está na minha lista de desejados

    ResponderExcluir
  11. É um livro aparentemente incrível, como parece ser o seu antecessor. Séria incrível tê-los em minha estante e teria incríveis leituras em 2015.

    ResponderExcluir
  12. Excelente resenha! Só aumentou as minhas expectativas para lê-lo logo! =D

    ResponderExcluir

Olá, obrigado pela visita!!!